quarta-feira, 12 de novembro de 2014

"Sem título", por vontade própria.



A xícara com o café frio ainda estava sobre a mesa. Na pia, alguns pratos ocupavam espaço. Do chuveiro, caía aquela gota inconveniente só para não deixar o silêncio tomar conta do ambiente. O vento balançava as cortinas e refrescava aquela solidão. O tic-tac do relógio de parede não permitia o esquecimento do fato de que: o tempo passa..ainda..e sempre. Os pássaros ainda cantarolavam lá fora por entre as árvores. Ainda existe melodia. Na cadeira, o vestido recém comprado para uma data especial, apenas servia de mensagem melancólica sobre o que não iria se realizar. A correspondência fazia tumulto na porta de entrada..fechada. É incrível como uma casa tão bela poderia estar tão abandonada. Sim, ela sabia que há beleza demais nisso também, afinal, era apreciadora desse tipo de ambiente. O que a perturbava era o fato das pessoas não desejarem consertarem as coisas ou pelo menos conservarem alguns cômodos da maneira que costumavam ser. Simplesmente desfrutam de cada um, por vezes, tira-lhes o que lhe é de interesse e na primeira rachadura na parede, abandonam o lar. Mas nem tudo que é abandonado está só. Ainda restam o vento, os pássaros, as árvores, o café..o tempo. O tempo. Esse que tanto faz e desfaz..tanto destrói quanto constrói..esse que é eterno e contínuo e do qual não temos como fugir. E pra que fugir? Não havia ninguém ali, no momento. A porta estava trancada e tumultuada, contudo, existia uma janela aberta. Existe uma janela aberta.

( Thaís Tenório ) 

"..estou sempre achando seres humanos no que eles têm de melhor e de pior. vejo sua feiúra e sua beleza e me pergunto como uma coisa pode ser as duas.."

( A menina que roubava livros )

"..o que uma pessoa diz e o que acontece costumam ser duas coisas diferentes.."

( A menina que roubava livros )

  • Palavra do dia: incompreensão
PS: sem muitos ps's por hoje..


terça-feira, 8 de julho de 2014

Moi et la musique.




SEM MEDIDA

Incrível você e eu em qualquer lugar
Outros lábios entre os copos vão dizer
Que não adianta correr, supor o estrago, se indignar
Não se mede desespero com você
Falo bem de você em qualquer lugar
Em seus braços nobres homens se perderam
Quem me dera poder a ter coragem de te negar
Mas não se mede sensatez com você
Sempre volto atrás
Então, me diga, como quer que eu te queira?
Tenho por nós dois
As verdades só me cabem ignorar
E caminho sem medida com você
Querem você e a mim em qualquer lugar
A distância que me encobria se perdeu
Onde mora o prazer, a compaixão é o pecado
Não se medem devaneios com você
Sempre volto atrás
Então, me diga, como quer que eu te queira?
Tenho por nós dois
As verdades só me cabe ignorar
E caminho sem medida com você

( Filipe Catto ) :D

Sobre estantes, objetos e escolhas.



E tudo estava uma bagunça. Até o dia em que você resolveu fazer aquela faxina, especialmente mental-sentimental, e chegou no acordo de que agiria de certas formas, para facilitar sua vida. E você começou. E você agiu. Serviu...por um tempo. Com um certo tempo, tudo que antes estava no lugar cabível, aparentemente, e que não incomodava mais, aparentemente, voltou à bagunça. Parece que é sempre assim na vida, a gente arruma uma coisa, surge outra duas vezes mais trabalhosa pra nos tirar de tempo ou equilíbrio. Engraçado que é assim e contudo, por vezes, você nem se dá conta que tá caminhando pelos mesmos papéis antigos, mesmos objetos espalhados e outros que você acabou colocando no meio. Uma bagunça. Maior. Igual..mas diferente. Você começa a tentar organizar e repara que alguns objetos que pareciam dificéis de guardar, acabam sendo fáceis de serem colocados na caixinha com a etiqueta " doações" ou "lixo". Contudo, outros que talvez você achasse serem simples de se organizar, não se encaixavam em lugar nenhum, aparentemente, e trazia mais confusão à arrumação. Então, você acaba deixando pra um pouquinho depois, quando guardasse tudo que você já sabia o lugar, daí, daria um jeitinho com os que sobrassem. Acontece, que estes que são os últimos a terem um destino, na verdade, são os mais importantes. E o que fazer? Que destino entregar pra eles? Então, você delicadamente pega um por um e observa melhor. E com muita cautela e paciência começa a enxergar o óbvio. Aqueles que estavam ali, dificilmente sem destino, eram basicamente cópias de tudo aquilo que ela já conseguira organizar e adequar em algum lugar no seu espaço. Não deveria ser tão complicado, então. Mas era. É. Porque parecia que colocando-os ali, juntos aos demais, apesar de pequenos, começariam a encher as estantes de uma maneira que talvez elas não conseguissem suportar e viessem a quebrar. E o quebrar dói. E o quebrar deixa a falta. Algumas vezes, até cortes. Porque por mais que de repente você nem usasse mais aquele objeto, ele tinha um significado e tinha razões de fazerem parte ainda daquele espaço. E pensar na ideia de que podiam quebrar, trazia um pouquinho de tristeza. Mas a vida também é assim. A gente espera tanto de algumas pessoas e acabamos com nada..ou não esperamos nada de alguém e nos deparamos com tudo..a gente faz planos e nada sai como o roteiro..ou não fazemos planos algum e tudo sai exatamente como no nosso inconsciente a gente queria que fosse..a gente confia e deposita bons sentimentos e de repente somos traídos e nos decepcionamos às vezes com tão pouco..ou tememos confiar e acabamos sendo injustos com quem não merecia..a gente diz coisas fortes e depois percebe que talvez pudessem ter sido mais amenas mas aí já era tarde..ou ficamos calados quando deveríamos na verdade, gritar e atacar mesmo..a gente espera que aqueles que amamos nos amem da mesma forma, e façam por nós o que fazemos por eles, mas raramente isso vai ocorrer..a gente mente todo dia pra si mesmo dizendo que isso ou aquilo é bobagem, coisa da cabeça..ou a gente nem sabe como pensar direito..e é dificil..e coisas podem quebrar nesse caminho. E dói, pensar. Mas é certo que ainda que você não saiba o que fazer direito, algo deve ser feito. Tudo são escolhas, tudo são sacrifícios, tudo são opções e tudo trará uma consequência. Se a estante vai pesar demais e quebrar ou ficar bonita, faz parte dessa consequência. Mas pra isso, primeiro, as escolhas. E então, ela ficaria ali, o tempo que fosse preciso, observando, sentindo cada objeto na sua mais profunda intensidade e realidade e então, um dia, ela saberia que destino dar a cada um deles. Não era fácil e nem que tinha ser. Mas era preciso cautela e sabedoria..e sensibilidade. Afinal, a vida é assim mesmo..parece dura mas se a gente olhar com o olhar certo, é tão simples. Nós que somos o complicado. Porque no fim das contas, quem disse que a gente não pode escolher o nosso destino? When everything is choices.

( Thaís Tenório ) :D

"..o diabo desta vida é que entre cem caminhos temos que escolher apenas um, e viver com nostalgia dos outros noventa e nove.."

[ Fernando Sabino ] :D

"..não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito.."

  • Palavra do dia: análise.
PS: talvez depois de um bom tempo, saiu o texto que era pra ser um tanto aleatório, algo que talvez, esteja mesmo prestando :B
PS do PS: beijos e beijos ;*


quarta-feira, 11 de junho de 2014

Shadow of the wind.



O vento parecia diferente esses dias. E parecia que trazia com ele uma espécie de sombra, de proteção, de coisa boa, apesar de também soar estranho. Às vezes, quase parecia uma perseguição. E logo ela que nem sempre apreciava que o vento bagunçasse seus cabelos, começara a se permitir um pouco mais. Seu sorriso saía leve nesses momentos. Era quase inexplicável. O vento parecia diferente esses dias. Ou seria ela que estava diferente?  Isso nem vinha tanto ao caso, era tão sublime que talvez pela primeira vez em tanto tempo, ela tivera um surto de veracidade no que até então considerava um delírio ou alucinação. O vento parecia diferente esses dias. Um bom agouro, quase um pôr do sol na noite escura,e tinha um aroma tão bom..talvez porque junto dele vinham pétalas e pétalas de flores. Talvez fosse só a mudança de estação..talvez fosse só uma mudança de perspectiva..talvez fosse uma mudança interior..quem sabe. Acontece que o vento parecia diferente esses dias. Acontece que era diferente. Acontece.

( Thaís Tenório ) :D

"..respire, respire o ar, não tenha medo de se preocupar. vá embora, mas não me deixe, procure ao redor e escolha seu próprio chão.."

[ Pink Floyd ] :D

  • Palavra do dia: percepção.
PS: coisa pouca, curtinha e talvez simples..pra espantar às moscas :B
PS do PS: beijos e beijos ;*


sexta-feira, 16 de maio de 2014

Moi et la musique.



KELCH DER LIEBE

( Cálice Do Amor )

Meu corpo mergulha na vida
E meu espírito nada atrás dele
Meu coração é uma bússola
E o amor meu horizonte
Essas palavras são como a tempestade
Esses reflexos são como um mar revolto
A água me engolfa frequentemente
Mas elas nunca clamam vitória
E quem pergunta por mim e quem quer me ouvir?
E quem olha pra mim e quem fala comigo?
E eu
Eu não quero viver sem um propósito
Uma vida sem amor não é vida
Eu não preciso de vida
Eu só preciso de você
Seu corpo
Sua alma
Seu coração
Um tira da minha alma
Outro come do meu espírito
Outros ainda bebem do meu amor
E muitos alcançam com minhas forças
Eu sou humano e eu preciso de amor
Mas o que me resta é apenas saudades
E essas palavras são as que me ferem
Mas que não são destinadas à mim
E quem perguntou por mim e quem quer me ouvir?
E quem olha pra mim e quem fala comigo?
E eu
Eu não quero viver sem um propósito
Uma vida sem amor não é vida
Eu não preciso de vida
Eu só preciso de você
Seu corpo
Sua alma
Seu coração
E quando o mundo estiver em chamas
E o último espécime humano tiver partido
Até mesmo o Sol estiver explodindo
A luz do amor permanecerá em você
Pegue esse cálice
Com a vida de um palhaço sem nome
Daquele trancado do lado de fora
Daquele rejeitado
Da sombria criatura da luz
Esse agora é o cálice
Cheio com o amor de um palhaço
Daquele trancado do lado de fora
Aquele rejeitado
Da sombria criatura do amor

( Lacrimosa ) :D



Reflection.



Atitudes simultâneas. Boas e ruins. Pensamentos simultâneos. Bons e ruins. Inseguranças duplamente particulares. Dissimulação, também. Máscaras? Da mesma cor, forma e gosto. Aromas íntimos. Melodias de uma mesma orquestra. Escuridões peculiarmente claras. Transparência transvestida de disfarce, dois corpos. Falhas e acertos. Duplamente. Eram iguais, só não sabiam disso ainda.

( Thaís Tenório ) :D

"..parece como se fosse escrito, mas não pudemos ver através das linhas.."

[ Placebo ] :D

  • Palavra do dia: reflexo.
PS: beijos e beijos ;*


segunda-feira, 28 de abril de 2014

Moi et la musique.


DEVIL WOULDN'T RECOGNIZE YOU

( O Diabo Não Te Reconheceria )

Numa noite tranquila como esta
Você quase pensa que está a salvo
Seus olhos estão cheios de surpresas
Eles não podem prever minha sorte
Esperando sob as estrelas
Há algo que você deveria saber
Os anjos que rodeiam o meu coração
Me dizem pra deixar você ir
Eu quase não pude
Eu quase não pude reconhecer
Mas eu tenho jogado isso direito
Quem sou eu pra criticar?
De alguma forma eu irei passar por isso
E  você nem sequer vai perceber
Atropelando seu próprio disfarce
É como se de novo e de novo
Você estivesse me jogando pra baixo, no chão
Eu apenas deveria ir embora
De novo e de novo
Eu estou voltando pra mais
Eu brinco com sua fantasia
Agora que acabou
Você não pode mentir pra mim através do seu sorriso
Vi isso por trás dos seus olhos
Agora que estou sóbria
Ninguém mais irá envenenar minha mente
Nem o diabo reconheceria você, eu sim
Você quase provou quem é desta vez
Que todos os santos sejam glorificados
Você esconde sua tristeza por trás do seu sorriso
E continua perdido em sua mágoa
Os degraus que estão por vir
São muito mais altos do que parecem
Que eu esteja lá em cima
Antes que você possa se esconder de mim
Eu quase não pude
Eu quase não pude reconhecer
Mas eu tenho jogado isso direito
Quem sou eu pra criticar?
De alguma forma eu irei passar por isso
E  você nem sequer vai perceber
Atropelando seu próprio disfarce
É como se de novo e de novo
Você estivesse me jogando pra baixo, no chão
Eu apenas deveria ir embora
De novo e de novo
Eu estou voltando pra mais
Eu brinco com sua fantasia
Agora que acabou
Você não pode mentir pra mim através do seu sorriso
Vi isso por trás dos seus olhos
Agora que estou sóbria
Ninguém mais irá envenenar minha mente
Nem o diabo reconheceria você, eu sim
Nem o diabo reconheceria você, eu sim
Nem o diabo reconheceria você, eu sim
Nem o diabo reconheceria você, eu sim

( Madonna ) :D

Passos apressados de um mesmo lugar.



Ela se vestiu de sangue, suor e lágrimas. E correu, correu muito. Mas pra que, afinal? Talvez fosse a única coisa que no momento, seu corpo fosse capaz de fazer pra aliviar a cabeça que ela própria carregava.. e os ombros..e o coração. Ela correu, e correu muito. E enquanto corria ela não sentia nada além do cansaço..ela não sentia os cacos que machucavam seus pés descalços, nem a chuva forte que esculpia ainda mais suas curvas ao deixar sua roupa transparente e colada, nem o frio que o vento trazia, nem a ameaça dos animais selvagens que a observavam no decorrer do caminho, nem a dor, nada..só o cansaço..e o sangue, o suor e as lágrimas. E ela correu, correu muito. Ainda corre. Na verdade, talvez ela tenha medo de parar e se deparar com certas coisas que vão além do seu controle. Talvez por temer dormir para sempre, o que algumas vezes, não parecia ser uma total má ideia. Mas tinha medo. Então, ela corria..muito e sem parar. Mas por mais que ela corresse, sempre existe aquilo que lateja e caleja ali dentro. Por mais que ela corresse, sempre tem aquilo que fica marcado à fogo na pele. Por mais que corresse, sempre tem aquilo que sempre é possível alcançar. Sempre tem aquilo. Aquele. Aqueles. Isso. E o sangue, o suor e as lágrimas..e o medo. Sempre. E ela correu, correu muito..ela tentou ao máximo não precisar parar. Até que um dia, o vento trouxe aquele pedaço de papel que era impossível não reconhecer. E então, ela parou. Quase sem forças, caiu no chão com o papel. E então, agora haviam ela, o papel, o cansaço, o medo e as lágrimas..sobretudo as lágrimas. Após um tempo estacionada ali no chão regado à folhas secas, ela se deu conta: talvez sua corrida tenha sido em vão..pra que correr tanto afinal? Pra que correr tanto se aquele papel estava ali, em suas mãos novamente. Pra que correr tanto? Talvez porque correr fosse a única solução no momento..ou, talvez correr não levasse a solução nenhuma. E ela correu, correu muito. Para enfim perceber que estava parada no mesmo lugar. Aquele mesmo lugar.

( Thaís Tenório ) :D

"..mas às vezes, não importa o quanto você ama alguém, elas simplesmente não podem te amar da mesma maneira.."

[ Grey's Anatomy ] :D

  • Palavra do dia: baú.
PS: sem mais, beijos e beijos ;*


terça-feira, 1 de abril de 2014

Moi et la musique.


TOTAL ECLIPSE OF THE HEART

( Eclipse Total Do Coração )

Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco solitária e você nunca está voltando
Vire-se
De vez em quando eu fico cansada de ouvir o som das minhas lágrimas
Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco nervosa que o melhor de todos esses anos se foram
Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco apavorada e então vejo o olhar em seus olhos
Vire-se, olhos brilhantes
De vez em quando, eu desmorono
Vire-se, olhos brilhantes
De vez em quando, eu desmorono
Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco agitada e sonho com algo selvagem
Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco desamparada e me deito como criança em seus braços
Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco irritada e eu sei que tenho que sair e chorar
Vire-se
De vez em quando eu fico um pouco apavorada e então, vejo o olhar em seus olhos
Vire-se, olhos brilhantes
De vez em quando, eu desmorono
Vire-se, olhos brilhantes
De vez em quando, eu desmorono
E eu preciso de você agora, esta noite
E eu preciso de você mais do que nunca
E se você simplesmente me abraçar forte
Nós estaremos juntos pra sempre
E nós estaremos fazendo apenas o certo
Porque nós nunca estaremos errados
Juntos nós podemos levar isso ao final da linha
Seu amor é como sombras em mim todo o tempo
Eu  não sei o que fazer e estou sempre na escuridão
Estamos vivendo em um barril de pólvora e soltando faíscas
Eu realmente preciso de você esta noite
A eternidade vai começar esta noite
A eternidade vai começar esta noite
Era uma vez, eu estava apaixonada
Agora, estou apenas desmoronando
Não há nada que eu possa fazer
Um eclipse total do coração
Era uma vez, havia luz na minha vida
Mas agora, há apenas amor na escuridão
Nada que eu possa dizer
Um eclipse total do coração
Vire-se, olhos brilhantes
Vire-se, olhos brilhantes
Vire-se
De vez em quando eu sei que você nunca vai ser o garoto que sempre quis ser
Vire-se
De vez em quando eu sei que  você sempre será o único garoto que me queria do jeito que eu sou
Vire-se
De vez em quando eu sei que não há no universo ninguém tão mágico e maravilhoso como você
Vire-se
De vez em quando eu sei que não há nada melhor, não há nada que eu não faria
Vire-se, olhos brilhantes
De vez em quando, eu desmorono
Vire-se, olhos brilhantes
De vez em quando, eu desmorono

( Bonnie Tyler ) :D

O escuro e uma porta..que assusta.



Por que é sempre tão difícil saber qual porta abrir? Por que é tão difícil, por vezes, enxergar portas? Tomar decisões. Isso assusta, na maioria do tempo. E se eu escolher um caminho que vai acabar com a minha vida e me fazer uma pessoa pra sempre amargurada, frustrada, vivendo num eterno e 'se' perante suas escolhas? E se eu escolher algo que me faça sobreviver..talvez não viver plenamente como se quer, mas sobreviver? E se eu escolher algo que traga luz pra escuridão que parece estar aqui há anos e de certa forma, melhorar alguma coisa? Como saber? Em que arriscar? Arriscar? Tomar decisões. Isso assusta, na maioria do tempo. E assusta ainda mais quando você não pode desmoronar. "Control your emotions", they said."You're have a baby inside you". Mas como controlá-las? Chega um ponto que se torna difícil, muito difícil, quase impossível, eu diria. Então..você desaba. Mesmo sem tempo de desabar, mesmo não devendo desabar, você desaba. E você ainda nem abriu a maldita porta, você ainda nem a enxergou na verdade..aliás, será que existe mesmo essa porta? Deve existir..mas parece que é pedir demais por algum sinal divino, alguma ideia mirabolante que faça tudo surgir e resolver todos os problemas..tá, ou pelo menos apontar um caminho..porque olha, tá escuro demais pra enxergar..e olha, que eu tenho olhos acostumados com o breu. E diante desse cenário você se vê parada. Você até queria andar, fazer algum movimento, alguma coisa, mas suas pernas não vão, seu corpo não vai..você não parece capaz no momento. E isso, isso assusta, na maioria do tempo. E você tem que achar essa porta e passar por ela. Você tem que fazer isso depressa, como se fosse fácil apressar o futuro..como se fosse fácil decidir seu destino em dias, horas, minutos. E isso assusta. E você não pode desmoronar mas já percebe pedaços de si mesma caindo no chão frio, empoeirado, na espera de que você consiga achar essa porta, passar por ela e pedir muito pra que tenha sido a coisa certa a fazer mesmo sem saber se isso existe mesmo. E agora? Boa pergunta. Mas já cansei de perguntas, preciso de respostas..e elas parecem fugir esvoaçantes, com o vento na primeira brisa da manhã. Talvez se eu fosse outra pessoa tudo isso fosse mais fácil, talvez. Mas parece que tudo sempre é mais dificil e dolorido pra você. Destino? Carma? Não sei e nem sei se quero saber. Tomar decisões. Isso assusta, na maioria do tempo. Você está com medo, bastante. "Control your emotions", they said. "You're have a baby inside you". Alguém fechou alguma porta em algum lugar por ali. Você ouviu. Ainda não viu, mas verá. Como? Ainda não se sabe. Mas verá. Enquanto isso, respirar, contar até cem..e tentar não desmoronar. Pelo menos, você não está mais sozinha.."you're have a baby inside you"..e talvez essa seja justamente a luz que vai te levar a tua porta. Como já diz uma canção do Smiths: " there's a light that never goes out". Ainda existe alguma luz. E está dentro de você, literalmente.

( Thaís Tenório ) :D

"..e o mundo a me exigir decisões para as quais não estou preparada. decisões não só a respeito de provocar o nascimento de fatos mas também  decisões sobre a melhor forma de se ser.."

[ Clarice Lispector ] :D

"..saiba que são suas decisões, e não suas condições, que determinam seu destino.."

[ Anthony Robbins ] :D

  • Palavra do dia: temor.
PS: sem mais, beijos e beijos ;*


terça-feira, 25 de março de 2014

Moi et la musique.



AMOUR

( Amor )

O amor é um animal selvagem
Ele te respira
Ele te procura
Ele se aninha sob corações partidos
E vai à caça quando há beijos e velas
Ele chupa com força nos seus lábios
E cava túneis entre suas costelas
Ele cai suavemente como neve
Primeiro ele fica quente então frio, por fim, ele machuca
Amor, amor
Todos só querem te domar
Amor, amor
No final pego entre seus dentes
O amor é um animal selvagem
Ele morde e arranha e caminha em minha direção
Ele me segura com força com mil braços
E me arrasta pra dentro de seu ninho de amor
Ele me devora completamente
E tenta me regurgitar depois de muitos anos
Ele cai suavemente como neve
Primeiro ele fica quente então frio, por fim, ele machuca
Amor, amor
Todos só querem te domar
Amor, amor
No final pego entre seus dentes
O amor é um animal selvagem
Você cai na armadilha dele
Ele te encara nos olhos
Fascinado quando a contemplação dele o atinge
Por favor, me dê veneno

( Rammstein ) :D


Wartime.



Papéis com informações importantes em cima da mesa na sua frente. Alguns escritos. Círculos ao redor de certos lugares num mapa que também se encontra na mesma mesa. Traçados. Planejamentos. O tipo de coisa que não deveria estar tão exposta, mas acabou estando. This is war. Evidências suficientes. Será? Você se depara com um plano de guerra..e o que fazer quanto à isso? Melhor ter esperanças de que não passarão de planos e segue com sua vida normalmente, ou seria melhor armar-se e esperar pelo momento certo de ataque e desenvolvendo formas de se antecipar as explosões? This is war, and what can you do? O que sua cabeça suporta melhor? O que te faria se sentir bem, seguro, aliviado? This is war. E sobre guerras, sabe-se que ambos os lados saem com algum tipo de ferimento, mortos, traumatizados, sequelas..apenas um é detentor da vitória, por assim dizer. E o que seria essa vitória, afinal? É possível sair ileso? Sem ferimentos, traumas ou sequelas? É possível manter a mesma cabeça? Comportamentos? This is war. E nesses casos, o melhor caminho parece ser traçar seu próprio plano, antecipar ataques, escolher a melhor arma, estar atento aos sinais, proteger-se, conservar sua sanidade..e esperar..o momento certo. O confronto. O conflito. Os segredos revelados. O chumbo trocado que não dói. This is war. E talvez seja melhor atirar, ainda que com medo, é melhor atirar do que apenas se ferir. É melhor atirar. Uma hora essa troca acontece. Arme-se, portanto. This is war, and what can you do? Puxar o gatilho e esperar. Enquanto isso, continue dançando conforme a música. E espere. This is war. Then, fight.

( Thaís Tenório ) :D

"..se o inimigo deixa uma porta aberta, precipitemo-nos por ela.."

[ Sun Tzu ] :D

"..a habilidade de alcançar a vitória mudando e adaptando-se de acordo com o inimigo é chamada de genialidade.."

[ Sun Tzu ] :D

  • Palavra do dia: Adaptação.
PS: beijos e beijos ;*


sexta-feira, 21 de março de 2014

Moi et la musique.



ENTWINED

( Entrelaçados )

E você me controla, mais uma vez
E você me controla, mais uma vez
Imagine como eu posso continuar sempre em frente
Quando você quer enterrar a minha paixão
Você é a concha ao meu redor
E  eu não posso escapar
E engulo o meu orgulho
Entrelaçados, juntos agora
É hora de eu transpor isso
E você me controla, mais uma vez
Entrelaçados, juntos agora
E você me controla, mais uma vez
Entrelaçados para sempre
Imagine como eu posso viver sempre seguindo
Quando você quer viver em tal pressa
Você é o muro que eu tenho que remover
E eu engulo, e engulo o meu orgulho
Entrelaçados, juntos agora
É hora de eu transpor isso
Entrelaçados, juntos agora
Entrelaçados para sempre
E você me controla, mais uma vez

( Lacuna Coil ) :D

A piece of you.



Tudo quieto. Aparentemente. Tudo no devido lugar. Aparentemente. A dose certa de sentimentos. Aparentemente. Palavras e definições coerentes. Aparentemente. Coisas certas sendo postas em prática. Aparentemente. Equilíbrio. Aparentemente. E às vezes você se pergunta o que realmente está vendo..ou melhor, o que realmente está acontecendo. É tudo, por vezes, tão contraditório, tão confuso, tão vago. Aparentemente. E nós vemos. O que queremos ver. O que querem nos mostrar. Mas não é tudo. Há muito à ocultar. E não, nem sempre temos consciência disso. Simplesmente é assim. Aparentemente. Mas aí é só você dar um passo fora da linha e tudo ressurge..o então oculto, toma forma..e ao tomar forma, você toma consciência. Se isso é bom? Depende. Aparentemente. É quando você percebe que na verdade vive e enxerga a ponta de um iceberg. Aquele pequeno pedaço de algo muito mais profundo, muito maior, muito mais forte, muito mais perigoso, muito mais complexo. E de repente, te passa um filme inteiro, sem pausas, de longa duração, de tudo aquilo que você deixou embaixo do seu oceano frio. Você poderia trazer à tona, sim, poderia. Mas ao invés disso, aceita sua condição e fica a espera de que o próximo navio venha e se debata contra seus segredos submersos. Frios. Você espera. Aparentemente. Porque na realidade, talvez você só quisesse se desconstruir..porque na realidade você só queria parecer além de uma ponta..porque na realidade você só queria ser real. E enquanto isso tem um oceano imenso ao seu redor. E  enquanto isso o tempo passa e você passa pelo tempo. E enquanto isso você busca mais desculpas pra justificar seu marasmo. Aparentemente. A ponta de um iceberg. A ponta de um você.

( Thaís Tenório ) :D

"..ninguém é o que parece ou aparece. o essencial não há quem enxergue. todo mundo é só a ponta do seu iceberg.."

[ Luíz Fernando Veríssimo ] :D

  • Palavra do dia: aparência.
PS: esse lance de iceberg me perturbando a semana toda pra nada sair como eu queria realmente..é, a vida tem mesmo dessas coisas, danada! =s
PS do PS: beijos e beijos ;*


domingo, 9 de março de 2014

Moi et la musique.


ALL THAT I'M LIVING FOR

( Tudo Pelo Que Estou Vivendo )

Tudo pelo que estou vivendo
Tudo pelo que estou morrendo
Tudo o que eu não posso ignorar sozinha à noite
Eu posso sentir a noite começando
Separar-me dos viventes
Entendendo-me depois de tudo que vi
Colocando todos os pensamentos juntos
Encontre as palavras pra me deixar melhor
Se eu apenas soubesse como me deixar de fora
Tudo pelo que estou vivendo
Tudo pelo que estou morrendo
Tudo o que eu não posso ignorar sozinha à noite
Tudo pelo que eu sou procurada
Embora eu quisesse mais
Tranque a última porta aberta
Meus fantasmas estão se aproximando de mim
Eu acredito que os sonhos são sagrados
Pegue meus medos mais obscuros e toque-os
Como uma canção de ninar, como uma razão
Como uma peça das minhas obsessões
Faça-me entender a lição
Para que me encontre
Para que não me perca novamente
Tudo pelo que estou vivendo
Tudo pelo que estou morrendo
Tudo o que eu não posso ignorar sozinha à noite
Tudo pelo que eu sou procurada
Embora eu quisesse mais
Tranque a última porta aberta
Meus fantasmas estão se aproximando de mim
Acho que pensei que teria que mudar o mundo
Para fazer você me ver
Para ser a única
E poderia ter corrido pra sempre
Mas quão longe eu teria chegado
Sem chorar o seu amor?
Tudo pelo que estou vivendo
Tudo pelo que estou morrendo
Tudo o que eu não posso ignorar sozinha à noite
Tudo pelo que eu sou procurada
Embora eu quisesse mais
Tranque a última porta aberta
Meus fantasmas estão se aproximando de mim
Deveria doer te amar?
Deveria me sentir como eu me sinto?
Eu deveria trancar a última porta aberta?
Meus fantasmas estão se aproximando de mim

( Evanescence ) :D

Don't open.



E essa vontade de saber o que não se sabe asseguradamente? E essa pressa de ver o que ainda não nos foi mostrado? E essa carapaça de homem transbordando curiosidade e emoções? É melhor não abrir essa porta, disseram. Mas de repente ou você se encontra ali, desenvolvendo meios de abrir aquele cadeado, ou quando menos se espera, a tal porta se abre pra você no momento mais inesperado possivel. Por que? Pra que? Tudo tem um preço. Arrombar o cadeado ou entrar mesmo que a porta se abra pra você, também tem. Um preço. E parece que a gente sempre paga pra ver.. por que? Pra que? Existem motivos pra que certas coisas permaneçam fechadas. A mensagem é clara: você não pode ver, você não deve ultrapassar esse limite, é proibido. E tem receita melhor do que essa pra mexer com nossa cabeça? É melhor não abrir essa porta, disseram. Você até dava ouvidos..antigamente..não mais. E quando você rompe barreiras e mensagens e se ver entrando onde não deveria entrar..um mini caos está feito, quem sabe pro bem,quem sabe pro mal..mas está. E ao entrar naquele breu antes tão secreto, você começa a já sentir as consequências de abrir o que deveria permanecer intacto. Existem mesmo motivos pra que certas coisas permaneçam fechadas. Tudo tem um preço. E de repente, pode ser alto demais. E de repente, você já não sabe por onde anda sua verdade, sua caixinha de memórias, seu controlador de emoções, seu segredo, sua auto-confiança, sua sanidade. Existem motivos pra que certas coisas permaneçam fechadas. Quem sabe até, intocadas. Mas é tão dificil permitir isso quando se tem a chave nas mãos. É melhor não abrir essa porta, disseram. E você só queria ter jogado fora a chave antes. E você só queria não ser humano. Ser. Humano. Não sei.

( Thaís Tenório ) :D

"..pensei o quanto desconfortável é ser trancado do lado de fora. e pensei, o quanto é pior, talvez, ser trancado no lado de dentro.."

[ Virgínia Woolf ] :D

  • Palavra do dia: evocação.
PS: atualizando só por atualizar..porque nem sei bem o que escrevi aí, mas foi..:B
PS do PS: sem mais, beijos e beijos ;*


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Moi et la musique.




SUCK IT AND SEE 

( Pague Pra Ver )

Seu amor é igual a uma cela de couro cravejada
Seu beijo poderia enrugar a chuva
Você é tão rara quanto uma garrafa de Dandelion
E Burdock
E aquelas outras meninas
São apenas limonadas pré-preparadas
Pague pra ver, nunca se sabe
Sente-se perto de mim antes de eu partir
Mulheres enigmáticas com sapatos de filmes de terror
Seja cruel comigo, porque eu estou louco por você
Eu converti meu coração ferido em uma música pop
Eu não consegui pegar o jeito da poesia
Isso não é uma saia, moça
Isso é o cano-serrado de uma escopeta
E eu apenas espero que você esteja mirando-a em mim
Pague pra ver, nunca se sabe
Sente-se perto de mim antes de eu partir
Mulheres enigmáticas com sapatos de filmes de terror
Seja cruel comigo, porque eu estou louco por você
Garotas raras vindas do " faz de conta " de um local paradisíaco
Tão frequentemente eu me pergunto onde você está
Você tem aquela cara que quase diz
" Amor, eu só sirvo pra despedaçar seu coração "
Pague pra ver, nunca se sabe
Sente-se perto de mim antes de eu partir
Mulheres enigmáticas com sapatos de filmes de terror
Seja cruel comigo, porque eu estou louco por você

( Arctic Monkeys ) :D

Sleeping at last.



Eu às vezes sinto um medo profundo. De possuir as mesmas cegueiras que eu critico, sabe? Eu vejo um milhão de defeitos em tanta gente e... sou tão dura às vezes. Também sei que em outras vezes sou mais compreensiva do que deveria e... nem sei se isso é motivo pra texto. Sei lá... eu sinto vontade de ser bem má às vezes. E ferir, e machucar. E dizer tudo o que eu vejo, e  enxergo, e penso... mas é devaneio, porque eu só faço isso por escrito e sem destinatário, e mesmo assim me arrependo, meio que  pra exorcizar sentimento ruim. Me sinto meio Adriana Calcanhoto, escrevendo longas cartas pra ninguém.. quebrando discos e... é tudo tão confuso aqui dentro. E às vezes eu tenho certeza que só é assim porque eu escrevo, porque é só parar de escrever e eu sou profundamente tomada por uma racionalidade que. Uma racionalidade que. E eu vejo um milhão de defeitos em tanta gente e... é que eu tenho tanto à dizer e tento e nunca consigo. Eu só escrevo no vazio. Sei lá. Talvez como naquele episódio de seriado, eu só quisesse que a vida fosse um longo ensaio, e que a gente pudesse fazer direitinho ( e decidir direitinho ) só depois que treinasse bastante... mas isso é ficção. E roteiro de série americana com mais de oito temporadas. Ou só mesmo o fim do texto de uma escritora insone... e ruim. ( Eu invento meus personagens e depois me sinto traída quando descubro que eles não eram exatamente iguais aos que eu desenhei na fantasia. Talvez me sinta como Magritte, tentando entender que não é possível fumar o cachimbo do quadro. Vai saber. )

( Elenita Rodrigues ) :D

"..o cão não ladra por valentia e sim por medo.."

[ Provérbio Chinês ] :D

  • Palavra do dia: errado.
PS: nem sei porque nunca postei nada dela aqui, se é tudo tão meu e tão maravilhoso ^^
PS do PS: not a good day..beijos e beijos ;*


domingo, 9 de fevereiro de 2014

Moi et la musique.



BLACK BEAUTY

( Beleza Negra )

Eu pinto minhas unhas de preto
Tinjo meu cabelo em um tom mais escuro
Castanho claro
Como você gosta de suas mulheres espanholas, fortes e orgulhosas
Eu pinto o céu de preto
Você disse que se fosse do seu feitio
Você faria um mundo noturno hoje
Para combinar com o humor da sua alma
O que eu posso fazer?
Nada
Meu pardal azul
O que eu posso fazer?
A vida é linda
Mas você não tem ideia
Sol e oceanos azuis
O esplendor deles
Isso não faz sentido pra você
Beleza negra
Eu pinto a casa de preto
Meu vestido de casamento é de couro preto também
Você não tem espaço para luz
O amor está perdido em você
Eu deixo meus lábios vermelhos
Para parecerem cerejas na primavera
Querido, você não pode deixar tudo parecer tão azul escuro
Mas, o que eu posso fazer?
Para transformá-lo ou te entender?
O que eu posso fazer?
A vida é linda
Mas você não tem ideia
Sol e oceanos azuis
O esplendor deles
Isso não faz sentido pra você
Beleza negra

( Lana Del Rey ) :D

Superfície, profundidade e conturbações.



Superfície. Conturbada. E é difícil encarar os próprios pés que afundam nas profundezas. Há um temor quanto à isso..profundeza. Conturbada. O que há na verdade, mais para baixo? E é complicado vestir certa pele complicada. Mas é fácil complicar. Superfície. Conturbada. Complicada. Same feelings, same mistakes. Complicados. Nada superficiais..ainda que flutuem, por hora. E como lidar com aquilo que sequer se sabe nomear, apalpar ou explicar? Como? Me diz! It's not easy, I know. Enquanto isso os próprios pés começam a conhecer às profundezas do ser desconhecido, e é frio lá embaixo. Conturbado. É tudo tão escuro, é tudo tão. Tanto. Complicada. She is. And she doesn't know yourself, sometimes. Conturbada. O tempo urge, o vento sopra, a vida anda e os seus pés, afundam. Só afundam. E quanto aos olhos, presos à superfície ainda..presos em si próprios..presos na loucura..presos no mistério..presos. Na superfície. Conturbada. And maybe one day, she'll feel the floor. She'll, we know that. Profundamente, we know. Profundezas. Sanidade, insana. Sanidade.

( Thaís Tenório ) :D

"..viajo sozinha com o meu coração. não ando perdida, mas desencontrada. levo o meu rumo na minha mão.."

[ Cecília Meireles] :D

  • Palavra do dia: intimidade.
PS: texto meio estranho, mas enfim..não foi feito bem pra ser entendido ou ter um real sentido..acho..não sei =s
PS do PS: beijos e beijos ;*


terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Moi et la musique.


BLOODFLOWERS

( Flores de Sangue )


"Esse sonho nunca acaba", você diz
"Esse sentimento nunca vai embora, a hora nunca chega para ir-se"
"Essa onda nunca quebra", você disse
"Esse Sol nunca se põe novamente"
"Essas flores nunca irão sumir"
"Esse mundo nunca pára", você diz
"Esse pensamento nunca sai"
"O tempo nunca vem para dizer adeus"
"Essa maré nunca vira", você diz
"Essa noite nunca cairá novamente"
"Essas flores nunca morrerão"
Nunca morrerão
Nunca morrerão
Essas flores nunca morrerão
"Esse sonho sempre acaba", eu disse
"Esse sentimento sempre se vai, o tempo sempre vem para ir-se"
"Essa onda sempre quebra", eu disse
"Esse Sol se põe de novo"
"E essas flores sempre irão desaparecer"
"Esse mundo sempre pára", eu disse
"Esse pensamento sempre sai"
"O tempo sempre vem para dizer adeus"
"Essa maré sempre vira", eu disse
"Essa noite sempre cairá de novo"
"E essas flores sempre morrem"
Sempre morrem
Sempre morrem
Essas flores sempre morrem
Entre eu e você
É dificil de saber realmente
Em quem confiar
Como pensar
No que acreditar
Entre eu e você
É sempre dificil de realmente saber
Quem escolher
Como sentir
O que fazer
Nunca somem
Nunca morrem
Você me dá flores de amor
Sempre morrem
Sempre morrem
Eu deixo cair flores de sangue

( The Cure ) :D

Sobre danças, reconstruções e ausência de desculpas.



E de repente, vai ver tudo é fantasia. Vai ver estamos numa dimensão diferente daquela que gostaríamos de realmente, estar. A música muda. Consequentemente, tu tem que mudar a forma de dançar. Tudo é uma questão de ritmo. E fantasia, talvez. É aquele momento em que o tal preto no branco toma conta da sua visão. É aquele momento em que enfim, a ficha cai. É aquele momento que poderia ser fantasia..mas não é. É a sua vida. Sua música, noutro ritmo que de repente, ainda não se sabe como dançar. E como saber? Quem sabe? O novo em algo antigo. Ou seria mais correto dizer algo de eras num novo arranjo? Talvez. Sempre o tal do talvez. E da fantasia. E da realidade. E da música, sem dança. E aí é aquele momento em que você antes tão disponível, calcula os momentos adequados pra se fazer presente..é aquele momento em que você observa mais, pensa com mais cautela e fala menos..é aquele momento em que você parece louca procurando band-aids pra cobrir feridas que não param de incomodar e que apenas deixaram sua pele extremamente frágil..é aquele momento que você olha e não enxerga certas coisas..fantasia..ilusões..vida..é aquele momento que você prefere, já que não tem como se teletransportar pra tão estimada dimensão dos seus sonhos, ficar louca ao lado de garrafas de um álcool qualquer e barato fumando maços e maços de cigarro..é aquele momento que não há mais o que desculpar..nem desculpar-se..é aquele momento que você tem um monte de vida em cacos no chão e seus pés estão descalços..e toca uma música. Aquela música. Você a adora mas não sabe mais como se sentir quanto à ela..não sabe mais dança-la. E procura meios de reorganizar os passos pelo salão. E procura meios de reorganizar-se. Existem vários..talvez alguns não tão certos assim na visão alheia..mas quem se importa, são dos seus cacos que estamos falando. Sua vida. E quem se importa? Meios..reorganizar-se..existem vários..mas você não sabe se se preocupa primeiro com os cacos no chão ou com os passos inexistentes que a música clama por chegarem. Quem dera se pudesse resolver os dois ao mesmo tempo. Escolhas. Meios. Fantasia. Vida. A música muda. Você precisa dançar. Conforme a melodia. A música muda, você muda..o sentimento? Talvez mude também..outra perspectiva do mesmo, eu diria. A música muda. Você só está tentando se manter de pé..dançando. E você escolhe. Os pés sangram um pouco em contato com alguns cacos, as mãos também..mas enquanto pisa em um aqui e outro ali, recolhe um aqui e outro ali, seu corpo se move..balança..no começo dói, depois, anestesia..seu corpo se move..e em meio aquele cenário talvez agoniante, você dança. Meio descompassada, ainda..mas não se desculpe, é você ali..e ninguém tem nada a ver como você se reconstrói..especialmente, quem te quebrou. A música muda. E você está dançando. E sem se dar conta, você está um passo à frente da sua dimensão tão desejada. Você não se dar conta. E dança

( Thaís Tenório ) :D

"..afinal, eu bem que tentei consertar meu relacionamento com algumas pessoas e só ganhei mais e mais  poses e menos e menos verdades. ainda que doa deixar algumas pessoas morrerem, se agarrar à elas é viver mal assombrado.."

[ Tati Bernardi ] :D

  • Palavra do dia: adaptação.
PS: beijos e beijos ;*

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Moi et la musique.



500 LETTERS

( 500 Cartas )

500 cartas de um estranho na minha porta
500 palavras como estrelas que ninguém pode entender
Era pra ser tão inocente, um jogo infantil
Linhas de poesia sem nome
Ondas de paranóia apagadas pela página
Uma obsessão repentina transformada em ira
Por que você me ama?
Por que você quer me possuir?
500 cartas de um estranho em minha porta
500 armas, não aguento mais
500 palavras como estrelas que ninguém pode entender
500 segredos, lentamente me matando
Na misericórdia de uma mão violenta
Desenhando imagens em minha cabeça
Eu não posso escapar da maneira que me sinto por dentro
Em cada sombra, há um sopro para trás
Por que você me ama?
Por que você quer me possuir?
500 cartas de um estranho em minha porta
500 armas, não aguento mais
500 palavras como estrelas que ninguém pode entender
500 segredos, lentamente me matando
Eles encontraram a última carta bem ao seu lado
Um sorriso estava no seu rosto, frio como gelo
Uma última mensagem escrita justamente para mim
Agora você não vai esquecer
Eu vejo você em seus sonhos
500 cartas de um estranho em minha porta
500 armas, não aguento mais
500 palavras como estrelas que ninguém pode entender
500 segredos, lentamente me matando

( Tarja Turunen ) :D